O desenvolvimento do bebê e alguns marcos do seu primeiro ano de vida, são inesquecíveis para os pais, e causam uma certa ansiedade aos mesmos, pelo motivo de querer ver o bebê evoluir e descobrir as novidades desse mundo o quanto antes.
 
Uns dos principais marcos no desenvolvimento, é o virar, sentar, engatinhar e andar. Essa trajetória marca diversos momentos e fazem o bebê entrar cada vez mais em contato com o local em que está, as pessoas, os objetos e o leva a curiosidade.
 
Tudo começa por volta dos 3 meses de vida, quando o bebê já tem um controle maior da cabeça e do pescoço e músculos fortes o suficiente para conseguir desenvolver sua locomoção.

Começando a virar sozinho

 


Por volta dos 3 meses de vida, o bebê se vê curioso e com sua atenção voltada para objetos e pessoas que chamem sua atenção ou que ele queira por perto, com isso ele descobre seus movimentos na tentativa de alcançar o que tanto quer, A principio, ele já conseguirá erguer a cabeça e vira-la de um lado pro outro, e já conseguirá flexionar seus braços, de modo que deixará sua coluna mais curvada. Com isso, na tentativa de chegar perto de algo ou alguém, ele poderá involuntariamente virar-se de barriga para cima ou de bruços, sendo mais comum o bebê se virar de bruços primeiro, para poder virar de barriga para cima, mas pode acontecer o contrário. Esse movimento involuntário pode surpreender a ele ou até a você, mas daí começa os estímulos para cada vez mais aperfeiçoar essa forma de desenvolvimento e o bebê poder se virar sozinho.

 
Próximo dos 6 meses o bebê já conseguirá virar dos dois modos, arquear as costas, e fazer diversos movimentos sozinho, que o levarão a se sentar, caso já não tenha ocorrido. 
Uma ótima forma de estimular o bebê nesse período, é chamar sua atenção com coisas que ele goste, e tentar fazer ele acalçar, principalmente tentar fazer ele repetir o movimento e voltar a virar sozinho, e melhor ainda é comemorar com ele a conquista para cada vez ter mais interesse. 
 
Foi assim que aconteceu aqui. Involuntariamente aos 3 meses a Júllia se virou em busca de seus brinquedos, e voltei a mostrar o brinquedo em outra direção para ela repetir o movimento, e assim fez, e logo ela evoluiu bastante e começou a se arrastar pela cama. 

Quando o bebê se senta sem apoio

 


Após esse período de fortalecimento dos músculos da coluna e pescoço, e o ganho de equilibro da cabeça, o bebê descobre uma nova forma de ver o mundo, e tudo vai além da curiosidade com os objetos que lhe agradam ou das pessoas que ele gosta. 

Entre 4 e 7 meses de vida, o bebê passa a descobrir que com o apoio de seus braços ele pode se equilibrar sentado e sua coluna já pode ficar ereta. Essa é uma grande descoberta para ele, pois agora tudo muda, e ele pode alcançar outros lugares com seus olhos.
Inclinar-se para frente e com o apoio dos braços ir se erguendo, é uma das formas que fará com que o bebê consiga se sentar sozinho.

Aos poucos, perto dos 7 ou 8 meses, ele irá ganhando confiança e vendo que também pode ficar sentado sem o auxilio das mãos, que uma forma dele não despencar, mas para isso a ajuda de seus cuidadores será essencial. 

Nessa fase, estímulos como, sentar com o apoio de almofadas, em poltronas, no colo dos pais, e demonstrações de como se pode sentar, é uma ótima forma de mostrar ao bebê o quanto ele é capaz. Por aqui foi assim, quando a Jú foi ganhando equilíbrio e mais força, colocamos ela apoiada em almofadas, que cada vez ficavam menos inclinadas, depois passamos a deixá-la sentada na poltrona e aos poucos fomos mostrando como se senta, até que notamos que ela finalmente conseguiria, e então passei a deixa-la sentada livre na cama, com um lençol em volta dela para dá um apoio e aos poucos ela se sentou sem apoio algum e aprendeu a se erguer sozinha.

A hora de engatinhar e explorar a sua volta

 


Uma das fases mais gostosas e emocionantes é quando o bebê finalmente começa a engatinhar. Acontece por volta dos 6 e 10 meses, onde o bebê se descobre ágil, curioso e explorador, após saber que já pode também sentar. Alguns bebês pulam essa fase, e vão direto ficar de pé ou andar, e outros se locomovem de outras formas, como “minhocando” ou se arrastando sentado e isso é muito normal. Essa nova descoberta requer cuidados redobrados e olhos atentos. É aqui que começam as quedas, as traquinagens e os sustos.

 
Agora que seus músculos estão devidamente fortalecidos, ele já tem controle da sua cabeça para olhar em volta, e consegue se equilibrar, seu corpo já suporta que ele fique de quatro sem cair e com segurança. 
 
Quando ele aprende que pode ficar nessa posição, onde seus braços ficam esticados e as pernas dobradas, ele começa a se balançar e é aí que tudo acontece. De pouquinho em pouquinho ele tenta avançar, e vê que se balançando pode colocar um braço a frente e também a perna, e ir trocando o movimento de ambas, fazendo com que ele engatinhe. Daí em diante, o bebê vai se aperfeiçoando e conseguirá engatinhar perfeitamente, e depois irá explorar tudo a sua volta e passará a descobrir o apoio dos móveis e das pessoas para conseguir ficar em pé. 
 
A Júllia engatinhou aos 8 meses. Aqui ajudei-a dando suporte por baixo de sua barriguinha e mostrando como os movimentos são possíveis. Colocar objetos chamativos também é uma ótima forma de estimular.
 

O primeiros passos, é hora de andar

 


Um dos marcos de desenvolvimento mais importantes da vida do bebê, o andar leva-o para caminhar rumo a “independência”, e traz para seu bebê um novo mundo. 

 
Basta o encorajamento e segurança que ele possa sentir, para que o bebê largue os apoios, como os móveis, e teste dá alguns passinhos sozinho. De inicio, o medo pode acabar deixando-o recluso, mas dá apoio e comemorar a cada passo, ajudará a fazer com que o bebê se entusiasme e queira cada vez mais tentar e aperfeiçoar esses passos e logo estará caminhando, correndo e pulando pela casa.
 
A partir de quando bebê começa a engatinhar e fica de pé, para que ele comece a andar só é uma questão de tempo e segurança. Pois, todo esse percurso e desenvolvimento contribuiu para que ele ganhasse coordenação motora e força muscular por todo o corpo.
 
Muitos bebês começam a dá seus primeiros passos por volta dos 9 meses e 12 meses, outros demoram um pouco mais, como foi o caso da Júllia, que só foi dá seus primeiros passos com 1 ano e 3 meses, mas após isso teve um desenvolvimento bastante satisfatório. É normal que o demore um pouco mais para andar.

Nessa fase todo cuidado é pouco, pois agora o bebê irá querer explorar locais que antes não conseguia, irá descobrir também que pode subir e descer escadas, subir em alguns locais, empurrar cadeiras e caixas e principalmente brinquedos. 

Para ajudar a dá seus primeiros passos sozinho, você pode andar de mãos dadas ao bebê, ou estimular que ele alcance você quando estiver bem a sua frente, e aos poucos o medo irá ficando de lado. 
 
Por fim, deixa seu bebê sempre seguro da nova fase que está passando, e incentive-o a praticar a nova habilidade descoberta. 
Sem mais artigos
%d blogueiros gostam disto: