Das coisas que mudam na maternidade, a TPM ganhou o Oscar até agora. Por que ser mãe na TPM é foda!

Desconheço a mãe que vi há 3 dias atrás, comparada a mãe que eu era há 2 semanas atrás. A TPM veio com tudo, me trouxe a tona aquela vida de adolescente. Que não se preocupava com os sintomas, pois ninguém questionava ou dava muito ibope para o que se passava. Afinal, você não devia satisfação a ninguém, e ainda podia se estressar sem pensar muito em consequências.

Mas em uma determinada fase, você se vê mãe, e pior entra na fase da TPM, e pior ainda, coincidindo com a fase do “Terrible Two” da cria. Já pensou na barra que está sendo o período menstrual? Melhor sair de perto, que até o Hulk é mais bonzinho! rsrs
 
Sou a favor da proibição de mães serem perturbadas ou cobradas em dias de TPM. Por menos birras e coisas fora de ordem nessa época. Por maridos mais compreensíveis e sensíveis quando precisamos de colo. E crianças comportadinhas nos momentos de explosão. 
 
Me vi infratora, quebrando todas as condutas da boa mãe e até matei algumas fadinhas.
Se a TPM me altera? Ela altera sim e alterou direitinho, a ponto de fazer vista grossa nas regras da casa, deixar a criança bagunçar tudo só para ter menos trabalho em reclamar. Liberei comer o biscoitinho fora de hora, TV na hora da refeição então, melhor nem comentar. E já até gritei por faltar paciência e ainda fiquei me sentindo a pior mãe do mundo depois. 

Maternidade e TPM, dois fatores que não somam e nem subtrai!

Definitivamente, TPM e Maternidade são 2 fatores que não devem somar nem subtrair, devem apenas não andarem no mesmo caminho. Pois se já sendo mãe os hormônios ficam a flor da pele e nos vemos em um outro eu, imagine essa pessoa na TPM. 
 
É mãe descabelada, mãe chorando pior que o bebê, mãe assaltando os doces da geladeira escondida do filho, é mãe estressada a ponto de até o marido sair correndo. É banheiro trancado com uma mãe dentro mais vezes no dia, cama aquecida o dia todo, casa de pernas pro ar, e uma cria perdida em meio a tanta mudança. 
 
Chego a me perguntar no que eu me tornei? Chega a ser vergonhoso, mas incontrolável, e espero não ser a única mãe cometendo essas “atrocidades”. rsrs E após esse primeiro episódio de TPM traumático, pós nascimento da Júllia, eu diria que, evite a sociedade, as regras, os conflitos e mantenha-se com a mente bem sã para que não tenha ataques de nervos. 
 
Mas sabe o que a TPM traz também, um colo de filho. Que apesar dos pesares ainda compreende toda aquela mudança, e acaba perdoando as insanidades da mamãe e dando carinho. Enquanto você se sente pior ainda pelo que fez, mas agradece por ter seu filho por perto. Aí nessas horas é que confunde mesmo o fundamento da TPM pós maternidade. 
Sem mais artigos
%d blogueiros gostam disto: