A alimentação, seja ela de um adulto ou de uma criança é assunto sério, e deve ser sempre debatido para evitar que maiores dúvidas estejam entre os pais. O momento mais delicado em relação aos alimentos ofertados as crianças, começa à partir da introdução alimentar, aos 6 meses de vida, e se estende até os 4 anos de idade, pois durante esse período os alimentos ofertados são determinantes para seu padrão alimentar adulto.
Quando iniciada a introdução alimentar, os alimentos devem ser adicionados a alimentação do bebê de forma lenta e gradual, a fim de evitar determinadas reações pela ingestão de algum alimento e para a melhor maturidade do intestino. 
 
Um erro bastante comum na hora de oferecer os alimentos aos bebês, é que alguns pais buscam maneiras que “facilitam” suas vidas, e ou tentam incrementar as refeições na tentativa de deixar mais saborosa ou saudável.
 
De acordo com uma pesquisa inédita, divulgada pelo Ministério da Saúde recentemente, 60,8% das crianças menores de 2 anos comem biscoitos, bolachas ou bolos e 32,3% já bebem refrigerantes ou sucos artificiais. Além destes alimentos que já são conhecidos como vilões da alimentação infantil, há outros que você não deve oferecer ao seu filho pequeno. Essa pesquisa só mostra o quão deficiente está a alimentação dessas crianças, e como é preocupante a sua saúde dentro de alguns anos.
De acordo com alguns nutricionistas, os alimentos descritos abaixo devem ser evitados até os 2 anos de idade, e se possível serem mantidos longe da alimentação da criança após esse período, pois são alimentos que não trazem valor nutricional a criança e não contribuem para uma vida saudável, além de poderem desencadear possíveis reações alérgicas.

#1 – Açúcar: Evitar o açúcar refinado, é uma das principais recomendações de profissionais especializados na área de nutrição. Vilão por contribuir com a obesidade, cáries e má formação do paladar das crianças, o açúcar de ser evitado ao máximo, inclusive na alimentação dos adultos. As frutas podem ser uma alternativa para garantir um docinho nas refeições, por seu gosto adocicado vindo da frutose, até mesmo frutas secas servem para esse papel. Além do açúcar refinado, alimentos que o tenham como ingrediente também devem ser evitados, assim como doces, industrializados, balas, chocolates, farinhas lácteas, entre outros.

#2 – Refrigerante: Rico em açúcar, os refrigerantes ainda contribui para a osteoporose, pois fornece grande quantidade de fosfato, que impede a absorção de cálcio. Então deve-se manter longe da alimentação das crianças, e se possível dos adultos também. 

#3 – Queijos não pasteurizados: Essa é uma recomendação que vária muito de pediatra, alguns recomendam após os 12 meses, outros só após os 2 anos.

#4 – Margarina: Não tem nada de bom a oferecer a criança, por isso, passe longe!

#5 – Cafeína: As vovós já diziam, café não é coisa de criança. O café ou bebidas que contenham cafeína, se consumidas em excesso e por crianças menores de 2 anos, causa insônia, agitação, irritabilidade e dores no estômago. 

#6 – Corantes e enlatados: Altamente alergênicos, e com excesso de sódio, conservantes e outros aditivos, esses só servem para irritar o estômago.

#7 – Carne de porco: Rica em gordura saturada, e bastante alergênica, essa carne deve ser evitada ao máximo, e após o primeiro ano após cortes magros e bem passados.

#8 – Mel: Pelo fato do sistema digestivo dos bebês ainda ser muito imaturo, o mel acaba sendo um vilão disfarçado de mocinho, pois ele pode conter a bactéria botulínica, que causa diarreia e problemas até mais sérios, e pela imaturidade do sistema digestivo, ele não é capaz de combater essa bactéria.

#9 – Leite de vaca: Até o primeiro ano de vida, passar longe do leite de vaca é uma das principais recomendações médicas. 

#10 – Frutas oleaginosas: Castanhas, amendoim, amêndoas, nozes, pistache e macadâmia, o principal motivo de evitar essas frutas, são as reações alérgicas, e também pelo seu formato que é propicio a engasgos, por isso muito cuidado ao oferecer as crianças.

#11 – Defumados e embutidos: Ao menos até os 2 anos as crianças devem ser mantidas longe desses alimentos que só nos trazem excesso de sal, gordura e conservantes, como os nitratos.

 
#12 – Crustáceos: Alguns médicos liberam esses alimentos após o primeiro ano de vida, outros preferem que os pais evitem que as crianças os consumam até os 3 anos por serem potenciais alergênicos.
Sem mais artigos
%d blogueiros gostam disto: